Início > Sem categoria > Bilhete

Bilhete

março 24, 2007

João de Jesus Paes Loureiro

Eu não me programei para nada
a não ser para ti.
Para estar junto a ti.
Para estar frente a ti
e te olhar com um misto
de curiosidade e fascinação.
Tu és, agora, este poema a se fazer
a obra-prima sonhada pelo poeta
a maravilhosa coreografia de um acaso
o sensualíssimo cheiro de sal e azul
que vem do mar.

Não me importa que emudeça o telefone,
que o carteiro não encontre o endereço,
que todas as estrelas apaguem,
como num teatro, as luzes,
desde que o amor continue a esculpir
teu corpo nos meus braços,
e eu possa ver tantas constelações
reunidas em teu olhar semicerrado
e teus lábios entreabertos
guardem as palavras que nunca serão ditas
a não ser à minha boca…

Que tua delicadeza encontre no meu peito
refúgio desse deserto de areia e solidão
que há fora do amor,
pois ainda que o destino me ofertasse
outros abismos de paixão
metrópoles onde fundar a minha glória
o lugar de encontrar as ilusões perdidas,
eu não me programei para mais nada
a não ser para ti
e nada importa que não seja tu.

Minha amiga Lu Guedes, compositora, intérprete e designer-criadora, gravou este poema em seu disco “Estela d’Água”. Escrevi-o para a circunstância de um recital de poesia e dança, sem pensar em publicá-lo. É um monólogo cênico. Fico feliz que tenha sido escolhido e tão bem dito por ela no seu belo CD.

Anúncios
Categorias:Sem categoria
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. outubro 3, 2007 às 9:48 pm
Comentários encerrados.
%d blogueiros gostam disto: